Branqueamento

Atualmente a estética tem um papel de extrema importância na vida de qualquer pessoa, assim o Branqueamento dos dentes é um dos tratamentos mais conquistados e realizados na área da Medicina Dentária já que é efetuado com sucesso sem afetar a estrutura do esmalte, permitindo um maior aperfeiçoamento do sorriso e aumento da auto-estima e confiança.

O Branqueamento dentário é um processo de eliminação de manchas e descoloração controlada dos dentes de forma a torná-los mais brancos sem os lesar ou desgastar.

Os dentes são formados por duas camadas de tecido mineralizado, o esmalte e a dentina em que o esmalte compõe a camada mais superficial responsável pela cor branca translúcida dos dentes e a dentina é de cor amarela e está situada mais internamente. O que determina a cor dos dentes é a espessura dessas estruturas, quanto mais espesso o esmalte, mais branco o dente será e quanto mais fino o esmalte, mais amarelado será por revelar a cor a dentina.

Este é um fator genético que varia de um indivíduo para outro mas os dentes podem ficar escuros devido a várias causas:

  • Necrose da polpa dentária – devido ao apodrecimento do sangue e a contaminação bacteriana que acontece no interior da câmara pulpar, os produtos do tecido pulpar necrosado podem se incorporar na estrutura dentária e, geralmente, a decomposição protéica gera componentes escurecidos.
  • Ingestão regular de alimentos – alimentos com alto teor de corantes tais como: café, chá, Coca-Cola, vinho tinto, doces, entre outros.
  • Fumar – o fumo causa manchas nos dentes, língua e mucosas diminuindo as defesas do organismo tal como é prejudicial na cicatrização de feridas e na osteointegração de implantes dentários.
  • Uso de antibióticos e outros medicamentos.
  • Uso de flúor – ingestão elevada de flúor leva a manchas de vários tipos.
  • Dentes desvitalizados ou que foram traumatizados há algum tempo.

Antes do tratamento é considerável a realização de uma higienização tendo em conta que algumas manchas superficiais e tártaro serão removidos através da chamada “limpeza aos dentes”.

O Branqueamento dentário consiste na aplicação de um gel clareador que se infiltra no esmalte e dentina dos dentes (devido à sua permeabilidade) e que os torna mais brancos. O Peróxido de Hidrogênio do gel clareador destrói as moléculas dos pigmentos causadores de manchas as quais são removidas por difusão. Mas nem todos os tipos de manchas ou descolorações são reversíveis optando-se, nesses casos, por outras soluções estéticas.

Existem dois tipos de branqueamentos dentários:

  1. Em consultório – o médico dentista aplica um gel directamente nos dentes que é ativado por uma luz LED (luz fria, azul e suave que vai activar o gel de branqueamento com o seu comprimento de onda específico) o que permite que o branqueamento seja feito de imediato e os resultados são visíveis logo após o tratamento, em aproximadamente uma hora de consulta.
  2. . Em casa – é efetuado pelo próprio paciente mas com supervisão do médico dentista através da utilização de uma moldeira/goteira confecionada no consultório dentário à medida da boca do paciente. Serve para colocar o gel branqueador e depois colocar na boca. O gel tem uma duração aproximadamente de 4 horas. Deve ser utilizado todos os dias ou em dias alternados durante 7 a 15 dias. Os resultados tornam-se visíveis ao longo do tempo do tratamento.

Branqueamento

Outra técnica ainda possível é a chamada “Técnica combinada” sendo efetuado um protocolo de branqueamento em consultório seguido de branqueamento em casa sendo uma ótima opção em diversos casos de dentes muito escurecidos, pigmentações de difícil remoção, casos de pacientes com manchas por tetraciclina, etc.

O branqueamento feito em consultório é mais vantajoso no sentido em que é sempre assistido pelo médico e apenas há uma exposição do esmalte ao gel branqueador enquanto que em casa tem sempre exposições repetidas e de maior duração ao gel branqueador, o uso diário de goteiras com gel e o facto de não se controlar a quantidade de gel utilizada podendo este agredir a gengiva.

Existe um pequeno número de pacientes que tem sensibilidade dentária durante o branqueamento e nas 24 horas seguintes ao tratamento.

Não é recomendado o branqueamento com idade inferior a 16 anos porque a câmara pulpar é muito ampla podendo ocorrer hipersensibilidade.