Medicina Complementar

A Medical Art Center tem acompanhado ao longo dos últimos anos, o sucesso em torno da medicina complementar e, desta forma, pretendemos que os nossos clientes possam usufruir deste conceito no campo da saúde.

A medicina complementar é utilizada em conjunto com a medicina convencional em que é adotada uma postura muito mais abrangente de saúde, doença e terapêutica.

Assim, ultrapassando o procedimento médico que foca o aspeto físico e mecanicista do corpo humano, centrando-se unicamente na patologia em si, enquanto que a medicina complementar visa uma perspetiva ampliada de saúde, que considera os aspectos sociais, culturais e emocionais do ser humano, exige uma abordagem necessariamente multidisciplinar em que inclui um elevado número de práticas e sistemas de cuidados de saúde. Ou seja, o objecto de focalização é a saúde e não a doença.

A medicina complementar é classificada em cinco categorias:

  1. Sistemas alternativos de medicina – construídos com base nos sistemas completos de teoria e prática como por exemplo a medicina homeopática e a medicina tradicional chinesa.
  2. Intervenções mente-corpo – utilizam uma variedade de técnicas concebidas para aumentar a capacidade da mente de afetar a função corporal e os sintomas como por exemplo a meditação e a oração.
  3. Terapias de base biológica – terapias baseadas no uso de substâncias encontradas na natureza como é o exemplo de vitaminas e ervas.
  4. Métodos de manipulação no corpo – manipulação ou movimento de uma ou mais partes do corpo. Alguns exemplos incluem osteopatia e massagem.
  5. Terapias Energéticas – visam alterar campos de energia que rodeiam e penetram o corpo humano como é o exemplo de massagens ou terapias que envolvem o uso não convencional dos campos electromagnéticos, como campos pulsados, campos magnéticos, ou campos de corrente alternada ou de corrente contínua.

A medicina complementar para além de acrescentar novas ferramentas na medicina, incluindo a comunicação, o trabalho em equipa e maior autonomia do paciente, há melhoria na relação terapêutica, na abordagem do paciente como um todo, na orientação para a cura e na participação do paciente no tratamento.

Nos últimos anos foram feitas várias descobertas relativas ao cancro e o que pode ser feito para o combater, tanto na medicina convencional como na medicina complementar, já que tem acontecido um aumento significativo de casos, em grande parte devido ao estilo de vida atual, onde o stress, má alimentação, sedentarismo, influência de produtos tóxicos como pesticidas, cosméticos e poluição, desempenham um papel de relevo no aumento da incidência da doença, por outro lado também aumentam os casos de sucesso no tratamento de vários tipos de cancro.

Medicina Complementar

Os tratamentos convencionais têm efeitos colaterais significativos e não são 100% eficazes, o que leva o paciente a procurar estes tipos de alternativas. Se a doença for detetada numa fase inicial, existem mais possibilidades de cura ao recorrer às várias vertentes deste tipo de medicina uma vez que ajudam não só na libertação do stress, como no impedimento da degeneração dos tecidos e no combate direto às células cancerígenas. Atuam também a níveis mais profundos, ajudando a adquirir maior estabilidade emocional, que hoje sabemos ser um factor muito importante nos processos de cura do cancro. São utilizados não só no tratamento de cancro mas também ​​para prevenir a doença, evitar ou reduzir os efeitos colaterais e sintomas, ou controlar doenças e cura. De acordo com um estudo americano, 61% de sobreviventes à doença, relatam ter recorrido à medicina complementar.

As boas práticas da medicina complementar devem ser utilizadas não apenas quando o paciente encontra-se doente, mas também quando se encontra saudável já que aumenta a resistência do organismo das alterações patológicas do ser humano, por este motivo não espere mais, adapte boas práticas ao seu estilo de vida e sinta-se bem.